VOCÊ ESTA VISITANDO O BLOG DO PROFESSOR KLEFFERSON FARIAS

quarta-feira, 21 de maio de 2014

*Unificações na Europa: a Alemanha e a Itália (1851- 1871) Itália No decurso da segunda metade do século XIX, as grandes potências europeias procuraram estender a sua influência. Esta atitude imperialista foi, na maioria dos casos, precedida de movimentos de cariz nacionalista. O nacionalismo estava muito em voga na centúria de 1800, inscrito num espírito romântico que tendia a mitificar as origens medievas das nações europeias. É neste contexto que se dá a unificação da Itália, em 1870, e da Alemanha, em 1871. O movimento de unificação de Itália (1840-1860) foi desencadeado pela revolução de 1848-1849. O grande objetivo desta revolução patriótica era, essencialmente, expulsar os austríacos do Norte e estabelecer um estado italiano coeso. Esta primeira tentativa de unificar o território fracassou, uma vez que não foi possível atrair as massas camponesas. Devido ao insucesso desta empresa, a Itália ficou dividida em oito estados. Por volta de 1860 a região do Norte de Itália ganhou um novo alento com o desenvolvimento do modelo capitalista. Neste período, o estado de Piemonte-Sardenha era governado pelo conde de Cavour, um descendente de ricos latifundiários. Este político queria dar à Itália uma Constituição de tipo britânico e unir o país sob o domínio da monarquia da Sardenha, contando com a apoio da França, mediante a entrega da Saboia e do condado de Nice a Napoleão III. Em 1859, a França e a Sardenha declararam guerra à Áustria. Neste conflito destacou-se Garibaldi, um dos próceres do movimento de unificação do país, chamado a intervir para conferir a este conflito um carácter mais popular. Esta guerra esteve na origem da revolta nos ducados de Modena e Parma, dominados pelos austríacos. A Toscânia, seguida por outros estados, revoltou-se e juntou-se ao Piemonte. Napoleão III, temendo que esta guerra evoluísse para uma revolução, pôs fim ao conflito. Pelo acordo estabelecido entre a França e a Áustria, uma parte da Lombardia foi entregue à Sardenha e o Véneto permaneceu sob o domínio da Áustria. Mas, ao retirar-se, Napoleão III não cumpriu o compromisso firmado com Itália. Não libertou as regiões italianas subjugadas pela Áustria anexando, contudo, a Saboia e Nice. Este desrespeito de Paris para com a aliança franco-italiana foi denunciado por Marx e Engels, em artigos publicados em jornais europeus e italianos. Em abril de 1860 rebentou uma insurreição camponesa na Sicília, para onde se dirigiu Garibaldi, acompanhado pelos "mil de Garibaldi", também chamados "as mil camisas vermelhas", porque estes voluntários envergavam um vestuário fora do comum. A sua chegada, a 2 de maio de 1860, foi muito festejada pela população, que o considerou o libertador. A sua vitória resultou na retirada dos inimigos. Em outubro de 1860 estava em curso a união revolucionária italiana. Em setembro desse ano, Garibaldi assumiu o poder em Nápoles, com o apoio incondicional de uma parte considerável da população, com exceção dos camponeses, que não constituíam uma forte oposição aos latifundiários. Garibaldi voluntariamente reconheceu a autoridade de Vítor Manuel, o rei da Sardenha, quando esta foi exigida por Cavour. Em outubro a Itália meridional passou a integrar o reino da Sardenha, em virtude de uma votação pública. No ano seguinte, em 1861, o Piemonte proclamou o reino unificado de Itália. Para a total unificação deste país, faltava incorporar o Véneto e a Roma dos papas. Em 1866 a Prússia atacou a Áustria com o auxílio italiano. Garibaldi e os seus homens sofreram muitas derrotas, mas as tropas da Prússia ditaram o resultado final deste conflito. Após a assinatura do tratado de paz em 1868 a Áustria foi coagida a renunciar ao Véneto, uma região automaticamente integrada na Itália. A Roma pontifícia tentou resistir à unificação, só que, com a perda do seu tradicional aliado, Napoleão III, que fora destronado, em 1870, pela Prússia, a cidade foi ocupada pelas tropas de Vítor Manuel, a 20 de setembro daquele ano. A unificação ficava, deste modo, completa e, nesse mesmo ano de 1870, a cidade de Roma assumia-se como a capital de um novo país europeu. Giuseppe Mazini, Vítor Manuel II, o conde de Cavour do reino do Piemonte-Sardenha, o bastião da unidade italiana, consumada entre 1859 e 1870, foram os protagonistas do processo de unificação, no qual também participou Garibaldi, chefe militar muito popular entre a população do Piemonte, o centro dos patriotas de toda a península, de onde partiu para as suas campanhas. Alemanha O fracasso da revolução de 1848, de intuitos unificadores, implicou a continuidade da fragmentação da Alemanha. Na década de 50, os grandes senhores da Prússia, detentores do poder político, mantinham os seus privilégios - o monarca, receando uma nova revolução, resolveu manter a Constituição onde esses privilégios eram consagrados. A partir de 1848, o ritmo de desenvolvimento do setor industrial e das cidades foi bastante acelerado e apenas a divisão política travava o progresso do capitalismo. Tornava-se indispensável a unificação da Alemanha para prosseguir o projeto económico germânico. Com a derrota da revolução de 1848 os detentores dos grandes latifúndios na Prússia ganharam elevadas somas de dinheiro e, em virtude dos preços do trigo estabelecidos entre 1850 e 1860 e do rápido desenvolvimento da indústria e das cidades, estes tiveram a possibilidade de pôr em prática uma agricultura mecanizada do tipo capitalista. Ainda se registaram mais alguns focos de resistência camponesa mas, de 1850 a 1870, não mais se verificou qualquer movimento de alcance nacional. Guilherme I, sucessor de Frederico Guilherme IV (falecido em 1861), apostou numa política de rearmamento e fez de Bismarck o seu primeiro-ministro. Bismarck, o "Chanceler de Ferro" (1815-1898), um político hábil e um diplomata de sucesso, defendendo as classes privilegiadas nas quais se apoiava. Para ele, a unificação do território alemão era essencial para a destruição da Áustria e da França, dois estados que considerava serem um entrave à formação de uma grande nação germânica. No ano de 1866 a Prússia entrou em guerra com a Áustria e a vitória sorriu a Guilherme I, que apoiava os nacionalistas italianos. Em consequência, a Áustria perdeu o Véneto para a Itália e teve de pagar uma contribuição monetária à Alemanha. Enquanto os Estados do Norte da Alemanha, luteranos, constituíam a Confederação Germânica do Norte, liderada pela Prússia, os Estados do Sul, maioritariamente católicos, estavam arredados desta instituição, quer por imposição da França, quer pela sua relutância natural em serem controlados pela Prússia. Estes Estados viriam a negociar um pacto com a Alemanha, segundo o qual, em caso de guerra com a França, o rei da Prússia tornar-se-ia general dos exércitos germânicos. O nacionalismo alemão, para além de uma motivação económica, teve uma origem rácica, pois um dos seu objetivos era a unificação da raça ariana, considerada pura e superior por alguns setores da população alemã. A unificação política deu-se depois de concluída a unificação económica, uma vez que em 1834 a Prússia tomou a direção da união aduaneira (Zollverein), que representou um fator essencial do desenvolvimento económico dos Estados alemães, um estímulo para a modernização da sua indústria e formação de uma classe operária que terá um importante papel em todo este processo de unificação. Bismarck, à frente do processo de unificação desde o seu início, não tinha dúvidas quanto à forma de a concretizar; ficou célebre a frase que proferiu acerca da exequibilidade da união: "Sim, far-se-á, mas pelo ferro e pelo sangue". Em 1864 conquistou à Dinamarca os ducados de Schleswig e Holstein, na chamada "Guerra dos Ducados". Dois anos depois, aliado à Itália, fazia guerra ao rival austríaco; em poucos meses a sorte das armas era decidida com a vitória alemã em Sodowa e posterior assinatura da paz da Prússia. Em 1870, a França de Napoleão III declarou guerra à Prússia, mas perdeu em todas as frentes. O forte exército germânico acumulava vitórias, como sucedeu na esmagadora vitória na batalha de Sedan (1 de setembro de 1870) na qual o próprio imperador francês foi feito prisioneiro. No dia 20 desse mês, os prussianos cercavam Paris. Perante esta situação, o governo de Defesa Nacional (republicano, em funções desde 4 de setembro, altura em que depusera Napoleão III) assinou a rendição. Na paz de Frankfurt (10 de maio de 1871) a França, para além de pagar uma pesada indemnização, entregava a Alsácia e o Norte da Lorena. Nascia o novo estado alemão e Guilherme I, já proclamado imperador da Alemanha em Versalhes, no dia 18 de janeiro de 1871, assumia-se como o primeiro governante desta nova unidade política. SocialTwist Tell-a-Friend Como referenciar este artigo: Unificações na Europa: a Alemanha e a Itália (1851- 1871). In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-05-21]. Disponível na www: .

Um comentário:

Matematica Jb disse...

NOVO OLHAR SOBRE A MATEMÁTICA, Jornal Beira do Rio, UFPA, Abril 2011,
www.jornalbeiradorio.ufpa.br/novo/index.php/2011/124-edicao-93--abril/1189-novo-olhar-sobre-a-matematica

MÁRIO SERRA - ENGENHEIRO, MATEMÁTICO E AMAZÔNIDA, Jornal Beira do Rio, UFPA, Ano XXVIII Nº 120. Agosto e Setembro de 2014,
http://www.jornalbeiradorio.ufpa.br/novo/index.php/2014/152-2014-08-01-17-25-17/1618-2014-08-04-14-34-28

ALGUMAS MULHERES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E QUESTÃO DE GÊNERO EM C & T.
http://sitiodascorujas.blogspot.com.br/2013/06/mulheres-na-matematica.html

CONSTANTINO MENEZES DE BARROS I - MATEMÁTICO QUE LIGA O PARÁ/BR AOS MAIORES CENTROS DO MUNDO E COMPARÁVEL AOS GRANDES ÍCONES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA (II a V não publicados, disponível por e-mail), (Óbidos-Pa, 19/08/1931, Rio de Janeiro-RJ, 06/03/1983), Ex-Docente UFF e UFRJ,
www.chupaosso.com.br/index.php/obidos/educacao/2149-vida-e-obra-de-constantino-menezes-de-barros

PROFESSORA SANTANA: Candidata a Melhor Docente do Ensino Básico Paraense, Blog Chupa Osso, 23 Junho 2013, www.chupaosso.com.br/index.php/obidos/educacao/2453-proessora-santana-candidata-a-melhor-docente-do-ensino-basico-paraense

SABER MATEMÁTICO E CULTURA INDÍGENA, blogue da AICL, 20 de Setembro de 2011,
http://coloquioslusofonia.blogspot.com.br/2011/09/saber-matematico-e-cultura-indigena.html

PAIRÉ CAMETAENSE: UMA BELA OBRA EM MATEMÁTICA E ENGENHARIA (não publicado, disponível por e-mail: jbn@ufpa.br)

CONHEÇA MARIA LAURA MOUZINHO LEITE LOPES, UMA DAS PRIMEIRAS DOUTORAS EM MATEMÁTICA DO BRASIL!,
http://encontrodejovenscientistas.com/2015/02/02/conheca-maria-laura-mouzinho-leite-lopes-uma-das-primeiras-doutoras-em-matematica-do-brasil/

NASCIMENTO, J.B., GOMES, S.C. L., MAGNO, C. S. E MOREIRA, A. M. S. , CICLOIDE E BRAQUISTÓCRONA, www.sobralmatematica.org/preprints/preprint_2015_01.pdf, acesso fev/15