VOCÊ ESTA VISITANDO O BLOG DO PROFESSOR KLEFFERSON FARIAS

quinta-feira, 18 de março de 2010

Instrumentos de tortura na Idade Média

       A Idade Média não é a "Idade das Trevas" como muitos ainda a interpretam por falta de conhecimento desse período. Sabemos que as universidade, o arado, o comércio, a imprensa, nasceram na Idade Média. estamos falando de um período da história comum, logicamente com suas especificidades mentais, políticas, sociais que não a transformam em um período de atraso nem de ignorância, ao contrário um período tão rico e fantástico quanto a nossa contemporaneidade.
Portanto, há um lado sombrio, que hoje olhamos para trás e somos levados a pensar: os homens faziam mesmo isso?; a resposta é, sim! tinham seus motivos: políticos, religiosos, ambições e pretensões, mas que deve ficar somente no pensar e não nos levar a fazer juízo de certo ou errado principalmente aos historiadores. Esse lado sombrio esta ligado às práticas de tortura praticados por membros da Igreja Católica nos julgamentos e condenações do Tribunal do Santo Ofício. 

Se você está preparado para ver as imagens, então continue a leitura.

Logicamente, com tamanho poder, os Tribunais impunham punições políticas e econômicas, de forma a aumentar a expansão da Igreja na época. Dessa forma, as penas mais leves, geralmente vistas como alívio, era o confisco de bens, além de flagelos públicos, e desfiles com roupas de hereges. Com a vasta quantidade de penas aplicada, não é difícil entender porque a Igreja foi relativamente a instituição mais rica da história. Com ela, enriqueciam os reis que a apoiavam, como era o caso dos espanhóis.
     Ao lado uma iconografia de uma mulher sendo torturada por um dos instrumentos medievais, percebam que esse tipo de tortura não provocava morte fatal, mas os condenados passavam horas, dias definhando até a morte.
      Se você está preparado para ver cenas fortes de como os homens e mulheres eram torturados na Idade Média clique no link abaixo. mas se você não estiver preparado continue apenas neste resumo.


clik aqui






12 comentários:

Anônimo disse...

Muito boa essa leitura,é espantoso e interessante pois na época eles tinham uma forma muito rígida de mostrar as pessoas oque elas não podiam faser...
tenho com migo que a igreja carólica ñ é uma coisa para se frequentar com todas essas coisas horrorosas que aconteceu.
Obrigada,pois aprendir muito ;)

Anônimo disse...

gostei muito desse assunto !!!é muito interessante como eles pensavam na quela epoca e como agiam!!!e os instrumentos de tortura eram bem bolados!!!
valeu apena ler !!!
:)bjs!!!

sara silva disse...

gente!!!! que tortura e essa
isso não e coisa de pessoa humana principalmente de um cristão
o melhor a se fazer e vc ter sua propri crença

obs: klefferson esse novo blog esta muitoooo bom
cara vc se suparou

me add pelo msn: sara-silva-s@hotmail.com

mayara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mayara disse...

prof onde encontro a atividade do filme

mayara disse...

corrigindo o meu e-mail
msn=may.ara.a.gata@hotmail.com
orkut=mayara-agata18@hotmail.com

Anônimo disse...

poxa professor nem coloca as respostas do exercicio pq? assim como vou saber q tá 100% certo?coloca aí!!!

heline disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ŋαтγ disse...

Natália Cristiny - Madre Celeste Icoaraci - 1ºANO

A Inquisição foi um tribunal eclesiástico criado na Idade Média para combater as heresias e vigiar os judeus e muçulmanos convertidos ao Cristianismo. No século XVI a Inquisição foi restaurada em diversos países do Sul da Europa, entre os quais Portugal, para perseguir e condenar, em autos-de-fé, todos os que se manifestassem a favor do Luteranismo ou de algumas ideias defendidas pelos humanistas.

A Inquisição As acções deste tribunal eram coordenadas por um grupo de seis cardeais denominado o Santo Ofício, grupo este que funcionava sob a autoridade directa do Papa. Na prática, a Inquisição acabou por funcionar como instituição de apoio aos reis e ao clero, eliminando pessoas muitas vezes inocentes mas incómodas ao poder político.

Lívinha Reis disse...

Ana Lívian Reis Uchôa - Madre Celeste de Icoaraci - 1º ano


A Inquisição Medieval desenvolveu-se como instituição nas primeiras décadas do século XIII quando foram constituídos tribunais eclesiásticos para julgar os albigenses (q.v.). De acordo com os decretos do Concílio Francês (1229) presidido por um legado de Gregório IX, em cada paróquia devia se instalar um tribunal eclesiástico constituído de um sacerdote e dois leigos. Estes tribunais locais sob a jurisdição dos bispos foram substituídos pela Inquisição Papal, instituída direta­mente por Gregório IX, confiada por ele aos dominicanos. Entre 1230 e 1235, Gregório IX enviou juízes ou inquisidores (geralmente frades dominicanos) a várias partes da Europa para julgar casos de suspeita de heresia. Estes juizes constituíram a Inquisição Medieval. Embora nomeados pela Santa Sé, só era permitido aos inquisidores trabalhar com a cooperação do bispo diocesano. Quando um acusado de heresia era levado ante a Inquisição, a confissão e o arrependimento davam como resultado apenas um castigo simbólico (por exemplo, uma peregrinação). Se porém o acusado se obstinava em sua heresia, era entregue às autoridades civis para ser punido, pois o estado considerava a heresia uma traição à pátria.

A justiça dispensada pela Inquisição, em comparação com a dos tribunais civis do tempo, era suave, mas em comparação com os padrões modernos parece bárbara. Ao réu era negado o conselho; era admitido o testemunho de hereges e excomungados contra eles; usavam muitas vezes torturas cruéis para arrancar uma confissão. A pena de morte (geralmente pelo fogo, no pelourinho) não era desconhecida, mas não era de nenhum modo tão freqüente como alguns historiadores cheios de preconceitos têm afirmado. A idéia da Inquisição pode se compreender pelo fato de que a Igreja estava pro­curando defender os fiéis, isto é, a sociedade toda contra o que julgava um perigo mortal. As crueldades e injustiças que algumas vezes resultavam na prática, refletem a mentalidade da época, e nada prejudicam o ensinamento dogmático da Igreja, antes pelo contrário, o historiador objetivo que estudar com isenção de ânimo essa época semi-bárbara, verificará que a influência da Igreja foi sempre no sentido de humanizar e suavizar as penas. Os teólogos em geral se mostravam contrários às medidas violentas dos tribunais. Além disto, muitas vezes, interesses políticos se serviram sagazmente dos tribunais inquisitoriais para alcançar seus objetivos. Em épocas mais recentes, quando o protestantismo passou a ser a religião de vários esta­dos europeus, consideraram tudo o que lhes fosse contrário à doutrina, da mesma ou de forma pior. Lutero, Calvino, Zwinglio estabeleceram pe­nas de morte para seus herejes (contraditores).

karolina disse...

A Inquisição na Idade Média
Aluna:Ana karolina Lobo (Madre celeste-Icoaraci)

A Inquisição foi criada na Idade Média e era controlada pela Igreja Católica de Roma. Ela era composta por tribunais que julgavam todos aqueles considerados uma ameaça às regras da igreja Romana . Todos os suspeitos eram procurados e julgados, e aqueles que eram condenados, cumpriam as penas que eram desde prisão temporária à morte na fogueira,onde quem era condenado era queimado em uma fogueira na praça da república
Os condenados não sabiam que os tinha “dedurado”, mas antes de morrer, eles podiam dizer os nomes de todos seus inimigos para investigação no tribunal medieval. Com o passar do tempo, esta forma de julgamento foi ganhando cada vez mais força e tomando conta da Europa como: Portugal, França, Itália e Espanha. Mas, na Inglaterra, não houve o firmamento destes tipos de penalisação .

Muitos cientistas também foram perseguidos, censurados e até condenados por defenderem idéias contrárias à doutrina cristã.

As mulheres também sofreram nesta época e foram um dos maiores alvos. Os inquisidores consideravam bruxaria todas as práticas que envolviam a cura através de chás ou remédios feitos de ervas ou outras substâncias. As "bruxas medievais"também receberam tratamentos penais violentos, o movimento se tornava cada vez mais poderoso, e este fato, atraía os interesses políticos. Durante o século XV, o rei e a rainha da Espanha se aproveitaram desta força para perseguirem os nobres e principalmente os judeus. No primeiro caso, eles reduziram o poder da nobreza, já no segundo, eles se aproveitaram deste poder para torturar e matar os judeus, tomando-lhes seus bens.

Durante a esta triste época da história, milhares de pessoas foram torturadas ou queimadas vivas por acusações que, muitas vezes eram injustas. Com um poder cada vez maior nas mãos, o Grande Inquisidor chegou a desafiar reis, nobres, burgueses e outras importantes pessoas da sociedade da época. Por fim, esta perseguição aos hereges e protestantes foi finalizada somente no início do século XIX.

No Brasil, os tribunais chegaram a ser instalados no período colonial, porém não apresentaram muita força como na Europa. Foram julgados, principalmente no Nordeste, alguns casos de heresias relacionadas ao comportamento dos brasileiros, além de perseguir alguns judeus que aqui moravam.

karolina disse...

ana karolina (madre celeste-icoaraci)
Tá ai professor o meu resumo bjus...